Diz-lhe Que Não

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Cortar a franja ou quando o barato sai caro


Acho que já assumi imensas vezes o quanto sou forreta. Não é que seja pelo lado negativo da palavra. Estou é sempre a ponderar onde gasto o meu dinheiro e a pensar se é algo que valha muito a pena. E, no final do dia, até acho que isto é uma excelente qualidade - ser ponderada e cuidada com os gastos. Mas depois há coisas em que gostava de ser mais contida - roupa por exemplo onde, por vezes, me perco um bocado. E outras em que, simplesmente, gostava de ter aprendido mais cedo a lição de que o barato sai caro.

No outro dia, quando coloquei uma fotografia minha no Cinema Ideal, fartei-me de receber comentários de como a minha franja estava bonita e me ficava tão bem. O que ninguém viu foi a verdade: ela estava torta e mal cortada porque decidi ir cortar a um daqueles salões baratos de centro comercial. Fui com a esperança de que, quiçá, poderia até correr bem. Até parece que era a primeira vez que fazia franja, certo? O que só explica o quão estúpida ingénua sou.

Cresci com franja. Durante anooooooos usei e usei franja de todas as formas possíveis. Já passei por situações iguais. Já chorei. Já fiquei com uma franja miseravelmente cortada. E, mesmo assim, continuo a acreditar que, quiçá, a coisa pode sair favorável.


Cortar a franja implica algum cuidado e arte de mãos para saber cortar na diagonal e criar um efeito escadeado. A minha parecia um capacete - eu é que não mostrei porque tive vergonha alheia. Depois de um mês e, quando ela começou a crescer consideravelmente, tive o bom senso de procurar um salão para me ajudarem com a minha figura. Acabei por descobrir o Hair Fusion no Largo do Carmo por um motivo: tem um serviço só de franjas. O que implica que há-de haver alguém que sabe o que está a fazer.

E a primeira coisa que o Alexandre - um dos donos - me disse foi: uma pessoa pode ter um corte de cabelo mau mas uma boa franja muda o visual todo. E é verdade. Se há uma coisa onde temos de investir dinheiro e procurar os melhores dos melhores é, sem dúvida, a pessoa que nos vai cortar a franja. Isto que vos mostro não é (ainda) o resultado final. Porque a franja tem de crescer mais para o Alexandre conseguir moldar o cabelo no efeito escadeado que queria. Mas, pelo menos, anulou o efeito franja-capacete e conseguiu alinhar as pontas. Acabei por pintar também - porque o meu cabelo tem um tom de base arruivado que, com o sol, aclara e fica feio - e fazer um ombré mais natural de base acizentada para anular o ruivo que não gosto.

O serviço de franja ronda os 10€ (super simpático). Depois, quando voltar a acertar, mostro novamente. Eu que nunca mostrei cortes de cabelo achei que isto era mais do que serviço público. Não se coloquem nas mãos de qualquer pessoa. Um corte de cabelo mau pode estragar a nossa auto-estima durante um bom par de meses.

Podem saber preços e serviços do Hair Fusion aqui.





Fotografias por Faz de Conta Fotografia



Share:

8 comentários

  1. Sou suspeita para a maioria por ser filha de uma cabeleireira que conquista todos os que por ela passam. Sim pareço pretensiosa mas só por ser filha dela. A verdade é que as clientes que por lá passam sentem o mesmo. Desde muito cedo me habituei a ver erros crassos nos cabelos dos que por lá passavam. Franjas tortas é o pão nosso de cada dia. E quando pedes para escadear e te entregam todos capacete direito é super mais pequeno. É toda uma aventura... Para a qual não há milagres! No entanto, a solução não é desconfiar dos preços. É muito difícil para a minha mãe descobrir um bom cabeleireiro. Já pagou muito e saiu de lá com um ninho de andorinhas na cabeça e já pagou pouco para sair maravilhoso. É uma questão de procura... E sorte para achar o profissional competente. O problema é que cada vez é mais fácil ser cabeleireiro. Em 3 ou 4 formações já cortas o cabelo... Cortas é mal!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, também acredito - hoje em dia 4 formações e já está. No meu caso, fizeram-me um rolinho na franja e cortaram assim sem mais nem menos. A rapariga disse que tinha visto na formação a fazerem assim e fez em mim como se nada fosse. Fiquei com um capacete lol!! Há uns anos, chorei num cabeleireiro que me cortou o cabelo de tal forma que parecia que eu, de venda nos olhos, o tinha cortado em casa. Durante meses tive de andar de ganchinhos (tal foi o curto que ele ficou).. Mas enfim, é sorte como dizes de se encontrar alguém com jeito de mãos (eu pelo menos já encontrei o hair fusion :P )

      Eliminar
  2. A prova mesmo que o barato sai caro! Mas o resultado ficou incrível. Beijinho

    ResponderEliminar
  3. Tambem gosto muito do efeito sol no cabelo!!! fica top!!!!!!!

    ResponderEliminar
  4. Eu nunca tive franja, mas já tive experiências desastrosas em vários cabeleireiros que me fizeram sair de lá com vontade de enfiar o (pouco) cabelo que me restava dentro de um gorro até ele eventualmente se demonstrar mais apresentável. O cabelo é, sem dúvida, um dos elementos que mexe mais com a nossa autoestima, há que ter cuidado com as mãos nas quais o colocamos!
    Ainda assim, acho que a tua franja está gira e fica-te muito bem (:
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é... o cabelo mexe com a auto-estima de uma forma brutal - nós é que não nos apercebemos disso até o destruirmos!! Obrigada :D :D :D

      Eliminar
  5. "A minha parecia um capacete - eu é que não mostrei porque tive vergonha alheia." Vergonha alheia de nós próprios?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim vergonha alheia de mim própria e do que o espelho me mostrava. Era um ironia...

      Eliminar

© the styland 2013-2016 | Todos os direitos reservados.
Blog Design Handcrafted by pipdig