o amor é outra coisa #24 Há muito sexo mas já não há romance

23 de novembro de 2015


No outro dia, ao jantar com umas amigas, a conversa caiu invariavelmente em sexo. Em quem o fazia, com quem o fazia e como o fazia. E, claro está, o inverso também. Naquela mesa, havia pelo menos mais duas mulheres que poderiam levantar o dedo sem vergonhas, e soltar o grande tabu que é a abstinência. E antes que revirem os olhos - porque a palavra abstinência não é assim tão comum no nosso dia-a-dia - talvez nunca tenham parado para pensar nisto mas, mais do que não se ter uma relação amorosa, o grande bicho papão é não se ter sexo.

Deixem-me explicar: eu olho à minha volta, num restaurante, e consigo apontar dezenas de mulheres bonitas e, à primeira vista, interessantes. O mesmo não posso dizer dos homens. Porque será que conheço tantas mulheres de 30 anos fantásticas, bonitas, inteligentes e solteiras e não conheço nenhum homem assim? Calma, não estou a generalizar - já recebi dezenas de emails de homens que, só de os ler, me pareceram bastante interessantes - mas onde é que eles estão escondidos? É que não são os que nós conhecemos.

A última vez que me apaixonei, atirei-me de cabeça contra a parede sem medo que aquilo que recebesse em troca não fosse recíproco. Não foi - ele acabou por me partir o coração. Não de uma forma intensa tipo Charlotte Brontë, mas naquela forma profunda e lenta em que uma pessoa vê muitos filmes sozinha em casa e passa horas a ouvir Joni Mitchell e Jessie Ware porque simplesmente não lhe apetece estar com ninguém.

Há muito sexo em Lisboa. Mas é aquele tipo de sexo que leva a trocas de mensagens ao sábado à noite, amizades (pouco) coloridas, perspectivas de subidas na carreira e não a romances. Quando eu decidi que simplesmente não ia para a cama com mais ninguém que não fosse realmente interessante, foi mais numa de brincadeira com as minhas amigas. Mas a verdade é que o sexo confunde-nos as ideias e faz-nos acreditar em sentimentos que não existem. Nos últimos tempos, conheci dezenas de tipos, uns mais parvos do que outros. Mas, sem o sexo como meta, o que é que eles tinham para me dar? Nada. 

É aqui que quero chegar - quando não há nada para nos confundir as ideias, é fácil separar o trigo do joio. Porque há muito sexo à nossa espera - se o quisermos.

Mas não há romance.

Um tipo mete conversa connosco numa discoteca e se percebe que, nessa noite, não a vai terminar a despir-nos as calças, adeusinho e passa para outra. E eu não sei quem é a outra. Mas não sou eu. Nem as minhas amigas interessantes, inteligentes e solteiras com quem jantei no sábado à noite. Ah, e bonitas também.

E é exactamente por isso que, muitas vezes, me sinto mesmo lixada por ter nascido nesta geração e não há quarenta anos atrás. Porque o mundo está muito mais fodido. Nós, seres humanos, estamos a tornar-nos cada vez mais emocionalmente corruptos. E como não estou disposta a entrar em relações sem interesse com idiotas que me chamam "girassa" e dão mais erros no português que eu no japonês, fico como estou.

Sem sexo e sem romance.

O que acham? Concordam que o sexo nos confunde as ideias? Que tipo de homens têm conhecido?

15 comentários

  1. Eu tenho conhecido homens exatamente como esses que descreves: infantis e que so procura uma coisa. Gostei muito deste post, infelizmente tens toda a razão. Eu também não sei onde estão os homens que realmente interessam...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estão algures aí... vão aparecer :)

      Eliminar
  2. Até concordo com o texto, mas já pensaram que existem Homens que sofrem do mesmo...
    Procura-se e até se encontram mulheres bonitas mas sem nada para dar.
    Quando falavas que deverias ser de à 40 anos atrás até acredito no que dizes, pois nos dias de hoje para quem realmente quer ter uma união com alguém (seja de que forma for) não é fácil confiar em ninguém para se ter projectos futuros. Não existe sacrifício, existe sim mto egoísmo. Tenho para mim que procurar só nos faz piorar os sentimentos, deixar as coisas acontecer será o melhor. descansa que ele vai aparecer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro, eu sei que existem homens que sofrem do mesmo. Basta irmos ao Urban Beach a uma sexta feira à noite e vê-se o tipo de mulheres/raparigas que, eventualmente, não interessam a um homem que procura uma relação estável. Aqui a questão não é só focada nos homens - é mesmo focada na nossa sociedade em geral infelizmente...

      Eliminar
  3. Ai Helena, concordo tanto! Nesse aspecto acho que somos muito parecidas.
    Costumo dizer que me apaixono pela boca. Pelos beijos. Porque quando me entrego sequer para um beijo na boca já vou "despida". É extremamente difícil controlar os sentimentos quando (achamos que) tivemos carinho, momentos bons, palavras meigas. Então, mais vale não os ter só porque sim, mais vale manter a armadura vestida.
    Mais uma vez, um óptimo texto!
    Um beijinho enorme!
    amariadaniela.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Adorei a parte de "quando me entrego para um beijo na boca já vou despida" - adorei mesmo!!

      Eliminar
  4. Eu só conheço miúdos idiotas também ahahah

    ResponderEliminar
  5. Não é só um problema de mulheres, é um problema do Homem em geral. Gostamos de ser fodidos e de foder e esquecemos que normalmente por foder(mos-nos) tanto acabamos fodidos. Porque a única coisa que não nos fode a alma, é o romance. Mesmo que não dure, enquanto dura, é a melhor coisa. Excelente texto!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Enquanto dura é mesmo, mesmo a melhor coisa :)

      Eliminar
  6. Literalmente.... "o amor é outra coisa"!!!!!!

    ResponderEliminar
  7. Since sex is easier to get, true love is hard to find.

    ResponderEliminar
  8. Cara Helena, apesar de concordar com o ponto de vista do texto, já pensaste que os homens estão a ser "educados" pelas mulheres a ter esse tipo de comportamento? Através do facebook, instagram e afins as mulheres criam uma espécie de montra, o "olha o meu colar novo (ou o que está ao lado dele)", o "olha as minhas calças da moda(ou o que elas cobrem). Um homem sabe que para apresentarem esse tipo de comportamentos, há interesse no sexo pelo sexo, como dizes não ter interesse. Quem quer personalidade, mostra personalidade e quem quer sexo, mostra o caminho para o mesmo Claro que existem muitos homens interessantes, mas dificilmente os encontrarás numa noite de copos, decotes de push up e conversas aos berros no Urban. Mas esta é a minha opinião de homem, que pode e deve ser rebatida. Cumprimentos nortenhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Percebo o que diz Rui e faz todo o sentido. A nossa sociedade está toda "lixada" a todos os nívels e para ambos os lados da moeda.

      Eliminar
  9. Ps: não aproves o comentário....
    Era só para ti Lena 😉
    ....podes aprovar claro! Era só por não ter grande conteúdo, a parte de me rever nessas palavras e comportamentos (sociais).
    ... Cativou-me o interesse
    Li este #24 e o washing machine, top
    Quero Mais!
    Keep up the good work girl 😜

    ResponderEliminar

Latest Instagrams

© the styland. Design by Fearne.