O AMOR É OUTRA COISA #14 Se há atracção, só falha uma coisa: o timing

3 de setembro de 2015


Cheguei a casa eram umas 3 e meia da manhã, saí do carro, olhei para o céu e só me apetecia levantar as mãos e gritar: vá vida, vem lá lixar-me só mais um bocadinho.

Há uns meses conheci um tipo que tinha sido colega de uma amiga na escola e que, vai-se lá saber porquê, adicionou-me no Facebook depois de me encher o Instagram de likes. Staaaalker, eu sei. Em circunstâncias normais, não teria aceite. Mas este tipo, tirando os seus 2 mil amigos no Facebook e uma qualquer obsessão em adicionar pessoas aleatórias, parecia (minimamente) normal. E era bonito, vá. Não vou dizer que o aceitei porque parecia simpático e educado. Homens nerds e de barba são literalmente a minha cena.

Mas eu sou a pior pessoa para conversas online. Odeio chats de Facebook e isso levou a que, nos últimos meses, só tenhamos falado de vez em quando. Mas quando o fazíamos, as nossas conversas eram interessantes, focadas em trabalho, histórias e perspectivas de vida. Zero engates. Mas porque não falas?, perguntam-se vocês. Porque os chats criam falsa intimidade entre as pessoas. São os chats, os whatsapps ou as mensagens que fazem as pessoas apaixonar-se por imagens que criam umas das outras e que, na vida real, acabam por não corresponder ao que idealizaram. Se gostam de alguém, acreditem, ponham as conversas virtuais de lado.

Isto pode não ser fácil, eu sei, porque passamos os dias no computador e os chats piscam de cinco em cinco minutos. Mas para quem é desligado por natureza, como eu, vai acabar por ser natural. Passo dias sem responder a mensagens, sem maldade, apenas porque, às vezes, não tenho nada para dizer e prefiro falar pessoalmente (ou telefonar) do que estar em conversas intermináveis por mensagens. E há dois perfis de homens: aqueles idiotas que fazem joguinhos e se vocês não respondem, eles também não. E aqueles que não estão para jogos (yeahhh!) e, mesmo que vocês não respondam, eles dão algum sinal de vida quando têm alguma coisa (e vontade) para dizer. Este tipo corresponde a este último perfil. Mesmo que eu estivesse duas semanas sem responder, volta e meia ele aparecia com qualquer coisa para me mostrar ou dizer.

Vai daí, fui ao Porto (onde ele trabalha) há umas semanas e mandei-lhe mensagem a dizer que estava por lá. Combinámos uma saída à noite em que eu não apareci porque adormeci no hotel. E, no dia seguinte, ele combinou aparecer à tarde e, à última da hora, disse (deu uma desculpa) que estava com muito trabalho e não apareceu.

Coninhas, eu sei.

Então, esta semana combinámos sair em Lisboa. E ambos aparecemos. E não foi completamente bizarro-do-tipo-catfish como eu achei que ia ser. Na verdade, quando ele apareceu parecia simplesmente alguém que já conhecia desde sempre. E no meio de taaaaaaantos cromos (para não repetir a palavra idiota sempre que me refiro a homens) que se cruzam no meu caminho, este tipo tinha realmente empatia comigo. Ou eu com ele. Cometi um faux pas social de não lhe ter dado mais crédito. Estava numa de aparecer só para não ser eu a coninhas. E disse-lhe para ir ter comigo ao cinema porque, caso corresse mal, não teríamos muito para falar com um filme à frente.

Não sei se foi recíproco mas acontece que teria ficado a falar com ele até de manhã. Estou triste, disse-lhe antes de me ir embora. Porquê? Fiz alguma coisa?, perguntou-me. Não, não fizeste nada de errado e agora não tenho nenhuma história de cromos para contar amanhã, respondi. E ele deu-me a mão, em género de aperta lá aqui, e ficámos ali com as mãos juntas sem saber muito bem o que fazer.

Eu sei que se estão a perguntar qual é a parte em que ele lixou isto tudo.

Mas vamos lá chegar.

Vou para a semana para São Francisco, em trabalho, por tempo indeterminado, disse-me.

Qual é a probabilidade de, no meio de dezenas, milhares, milhões de cromos, aparecer um que faz click e se vai embora?

Cheguei a casa eram umas 3 e meia da manhã, saí do carro, olhei para o céu e só me apetecia levantar as mãos e gritar: vá vida, vem lá lixar-me só mais um bocadinho.

E, não podendo beber, fui dormir para esquecer.

19 comentários

  1. Li tão depressa que até tropecei palavras só queria chegar ao fim...
    Quando cheguei ao fim quis voltar ao início...
    Dammmmm!!!!
    Até a mim me apetece beber para esquecer...

    http://ofabulosodestinodemariaamelia.pt/

    ResponderEliminar
  2. Vim ler, porque me aguçaste a curiosidade :p e porque tinha a secreta esperança que ele tivesse sido tão awkward que só quisesses distância... afinal fiquei triste também, que ninguém merece! Merda para os timings!

    ResponderEliminar
  3. Meu Deus, queremos saber mais do tipo de São Francisco! Queremos, queremos, queremos! Porque se no meio de tantos idiotas ele é diferente, alguma coisa tem de especial. E tempo indeterminado não é tipo para sempre. Podem voltar a sair quando ele regressar, não? Conta mais!!! :)

    ResponderEliminar
  4. Fiquei completamente colada neste texto e só consegui parar quando cheguei ao fim. E depois, li os outros todos de seguida!! Acho que o meu patrão é que não achou muita piada a esta hora que passei a ler textos ehehe!
    Tens uma escrita envolvente, como se estivesses simplesmente a falar comigo e a contar-me essas histórias. Parabéns Helena :-) Vou ser uma leitora assídua a partir de hoje!
    *

    ResponderEliminar
  5. E não podendo beber, fui dormir para esquecer! ahaha adorei! Realmente o timing às vezes é a principal razão por que pessoas não ficam juntas. E não se vão ver mais antes dele ir para Sao Francisco?

    ResponderEliminar
  6. Opahhh, que azar! Não se faz isto ao coração de uma mulher!

    Lena's Petals xx

    ResponderEliminar
  7. Estava à espera de qualquer coisa idiota... não estava à espera disto <3 Espero novidades quando ele voltar de São Francisco :-)

    ResponderEliminar
  8. Bem, o timing é mesmo uma merda.

    ResponderEliminar
  9. Já pensaste que ele pode não ter gostado de ti e ter dito que ia para fora para não o chateares mais?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se ele trabalha no Porto e a autora deste blog é de Lisboa, a distância já não seria problema. Bastava voltar para o Porto. Que comentário mais estúpido.

      Eliminar
  10. Mas quando as coisas têm de acontecer, acontecem e não há distância que lhes valha ;-)

    ResponderEliminar
  11. Se sentiram O clic a vida (ou melhor ambos) vão encontrar desculpas para se encontrarem.

    ResponderEliminar
  12. Se sentiram O clic a vida (ou melhor ambos) vão encontrar desculpas para se encontrarem.

    ResponderEliminar
  13. O homem não pôde ir ter contigo porque estava a trabalhar, logo é um coninhas porque qualquer macho que se preze aguenta uma falta injustificada para ir ter com uma gaja que conhece na net lol
    Mas faltar a um encontro porque se adormece é perfeitamente normal e até demonstra o entusiasmo da pessoa. Shame on you timing

    ResponderEliminar
  14. Gosto de ti. Gosto mesmo. Adoro o que escreves! Se tiver que ser ele vai para S. Francisco e vai dar notícias :) esse timing ainda há-de vir :) até lá aproveita muito e continua a escrever para nós! :D

    ResponderEliminar
  15. Helena permite-me a ousadia.... que é feito deste tipo?

    ResponderEliminar

Latest Instagrams

© the styland. Design by Fearne.